quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

CMAS - Ata 19jan12, item 7 (por Mahtuk)

LEIAM COM ATENÇÃO,POIS É DE SEU INTERESSE.
REPASSEM PARA QUE TODA A BERTIOGA TOME ATITUDES.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
CMS- item 7 da ata da 5ª reunião ordinária  do Conselho Municipal de Saúde em 19/01/2012
Verefiquem a postura de quem deveria dar explicações e a postura cidadã dos membros do Conselho de Saúde  que não se ajoelham e nem acobertam irregularidades.
Prestem atenção aos nomes e divulguem as posturas de quem defende e prejudica Bertioga.
O presidente do CMS é o sr Paulo Braga e os demais membros são cidadãos bertioguenses.
Como é que o Sr. Prefeito escolhe seus auxiliares para responsabilidade tão importante?
Prestem atenção ao problema que o Secretário deu ao atraso da obra.
P**ra, está defendendo a vencedora da licitação?
P**ra, quem faz as planilhas orçamentárias?
P**ra quem faz o projeto arquitetônico?
P**ra , quem faz o cálculo estrutural?Projeto elétrico,agua e esgoto?
Na planilha consta concreto usinado.P**ra quem fiscaliza pela Prefeitura?Acobertam o vencedor da licitação?
Chega de p**ra.
Queremos p**ra de atitudes e não uma atitude de p**ra.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
         ATA

7) Estiveram na reunião os Senhores  José Marcelo, Secretário de Obras e o Sr. Ricardo Lerch, Diretor de Planejamento e Desenvolvimento Urbano de Bertioga para prestarem informações sobre o andamento das obras das UBSs. de Maitinga  e Vicente de Carvalho II. O Sr. José Marcelo declarou que a obra do Maitinga teve problemas com funcionários devido a época  ser de temporada, onde muitos saem para trabalhar em outros locais com ofertas de salários mais compensadores. O Sr. Paulo questionou as não conformidades da obra como por exemplo : a) o concreto usado no alicerce, que deveria ser usinado, foi feito manualmente e com água salobra retirada da valeta existente no terreno; b) a energia elétrica  foi emprestada do vizinho; c) não foi utilizado, betoneira, que não existia. Ainda o Sr. Paulo completou dizendo que  o conselho tem vídeo e fotos comprovando os fatos e que daqui há alguns anos poderão aparecer rachaduras nas paredes, devido ao mau uso do concreto no alicerce.  O Sr. Paulo reclamou que tem visto nas obras públicas em Bertioga que, embora sejam pagos material e mão de obra de primeira, tanto o material quanto a mão de obra aplicados são de terceira categoria. Sobre a obra de Vicente de Carvalho II, nem o Sr. Marcelo, nem o Sr. Ricardo souberam informar quanto poderia custar a mais o alicerce em forma “radier”. Ainda complementaram informando que não tinham orçamento para sondagem do solo, antes do projeto ter sido elaborado. À vista dessa explanação, o Sr. Paulo propôs que a obra fosse cancelada, já que ainda não foi iniciada. Os Srs. Marcelo e Ricardo sem maiores explicações retiraram-se de forma intempestiva da reunião. Diante destas atitudes, os conselheiros sentiram-se indignados e afirmaram que ninguém no conselho está para aplaudir tudo o que é apresentado pela Administração Municipal e que eles teriam a obrigação de permanecer ali na reunião, a fim de esclarecer todas as dúvidas apresentadas;

mahtuk ,p**ra ,com 75 anos e 9/12.
quando Bertioga vai acordar.
Tem nome novo para reverter essa .......

baixar arquivo ATA19jan12 CMS Bertioga

Um comentário:

  1. Li no BOM 437 que em 07/12/2010 foi contratado, entendo que de acordo com a especificação e competência feita por empregados municipais aptos para a função, a empresa Tercopav Terraplenagem Construções e Pavimentação Ltda, CNPJ nº 04.210.095/0001-29 para a construção de Unidade Básica de Saúde no bairro do Maitinga, no valor de R$493.332,56 com prazo de 06 meses a vencer em 06/06/2011.
    O fato do contrato de 06 meses ter extrapolado mais de 06 meses do seu vencimento pode ser denúncia a todos os envolvidos.
    comentário:
    Porque assinar um contrato no final de um exercício,2010, para ser concluído no exercício seguinte? e porque avança para mais um exercício, 2012?
    Construtora nenhuma pode alegar incompetência e desconhecimento numa obra que lhe garanta arrecadar mais de 10 mil reais o m²!!!

    ResponderExcluir